Hotéis de luxo em Paris

Fachada do hotel de luxo Ritz Paris
A entrada do Ritz Paris, na Place Vendôme: clássico de luxo reinaugurado em 2016

A hotelaria de luxo clássica de Paris não para de se reinventar, com as reaberturas do Ritz, na Place Vendôme, em 2016; do Hôtel de Crillon, na Place de la Concorde, em 2017, e do Hôtel Lutetia, em 2018, na Rive Gauche. E desde o início desta década ares asiáticos estão trazendo um bem-vindo frescor às muitas luxuosas opções de hospedagem na capital francesa. O vento do Oriente começou ao final de 2010, com a inauguração do Shangri-La, na Avenue d’Iéna, pertinho do Trocadéro e com belas vistas da Torre Eiffel. No ano seguinte, o Mandarin Oriental Paris abriu as portas na chique Rue Saint-Honoré. Em 2014 foi inaugurado o Peninsula, na Avenue Kléber, a poucos passos do Arco do Triunfo. O trio asiático corresponde a todas as altas expectativas em relação a um hotel de luxo em Paris.

A Torre Eiffel vista do Hôtel Lutetia
A Torre Eiffel vista de uma das suítes do renovado Hôtel Lutetia

Influência asiática nos novos hotéis de luxo em Paris

O Shangri-La instalou-se em um magnífico palácio do século XIX que pertenceu ao príncipe Roland Bonaparte (1858-1924), sobrinho-neto de Napoleão. Depois que você passa pelos portões de ferro da entrada o piso de diferentes tipos de mármore seduz o olhar enquanto o leva ao check-in. São 101 quartos, incluindo 36 suítes, decorados por Pierre-Yves Rochon. O spa, com uma piscina coberta, fica na área da antiga cavalariça.

O restaurante principal do Shangri-la é o premiado L’Abeille, com duas estrelas Michelin, comandado pelo chef francês Christophe Moret. Com uma estrela Michelin, uma filial do Shang Palace, a primeira na Europa, serve cozinha cantonesa sob o comando do chef Samuel Lee. O terceiro restaurante, La Bauhinia, fica em um belo salão redondo com móveis em madeira escura, sofás vermelhos, vasos de porcelana, orquídeas e uma cúpula em vidro de onde pende um candelabro em cristal de Murano. Não tem estrelas, mas sua deliciosa cozinha de delicado tempero tailandês é inesquecível.

Lobby do Mandarin Oriental Paris
O lobby do Mandarin Oriental Paris, na Rue Saint-Honoré

Entre as muitas butiques grifadas da Rue Saint-Honoré encontra-se o Mandarin Oriental. Com fachada art déco, a construção da década de 1930 tem hoje 99 quartos e 39 suítes, todos decorados por Sybille de Margerie. A Place Vêndome está pertinho, assim como as Tuileries e o Louvre. Um pátio interno com jardim surpreende quem chega ao lobby pela primeira vez. Ali ficam parte das mesas do criativo e delicioso restaurante Camélia e do Bar 8, ótimas opções para uma parada durante as compras. Duas estrelas Michelin premiam o Sur Mesure, o salão todo em branco do chef Thierry Marx, que também supervisiona a cozinha do Camélia.

O Peninsula por enquanto é o primeiro e único do grupo na Europa. Fica em um palácio do final do século XIX repleto de histórias. No início do século passado funcionou no endereço o Hotel Majestic, onde George Gershwin compôs em 1928 “Um americano em Paris”. O melhor do passado é combinado com tecnologia e design atuais e o resultado é um palácio moderno. A restauração usou materiais do século passado, e a decoração apresenta obras de arte de artistas plásticos contemporâneos. É o maior hotel do trio asiático, com 200 espaçosos quartos e suítes em tons de cinza e bege.

No terraço do sexto andar, L’Oiseau Blanc, uma homenagem ao nome do avião no qual Charles Nungesser e François Coli tentaram (sem sucesso) a primeira travessia do Atlântico Norte, tem cozinha francesa, vista para a cidade (Torre Eiffel incluída) e uma réplica da aeronave que o batiza. Lili é o restaurante de cozinha cantonesa. No térreo, La Terrasse Kléber mantém o espírito dos cafés parisienses de lugar para ver e ser visto. Ao lado, Le Bar Kléber respira história: foi ali que Henry Kissinger negociou o acordo que pôs fim à Guerra do Vietnã, em 1973, quando o prédio sediava o Ministério das Relações Exteriores da França.

Outra relativamente recente adição à hotelaria de luxo em Paris nada tem de asiática. O hotel boutique La Réserve fica na Avenue Gabriel, em frente ao Grand Palais e perto da Avenue Montaigne e do Palais d’Elysée, a residência oficial do presidente da França, na Rue du Faubourg Saint-Honoré. São apenas 40 quartos bem iluminados, incluindo 26 suítes. A porta em vermelho escuro leva a um pequeno e aconchegante lobby, sem balcão de check-in, e ao restaurante Le Gabriel, comandado pelo chef bretão Jérôme Banctel e com duas estrelas Michelin. A escada em espiral é das mais impressionantes. Jacques Garcia assina a decoração clássica do prédio do século XIX com paredes cobertas por tecidos, e detalhes como colunas de ônix do Paquistão. Antiguidades e modernidades convivem bem em todas as áreas do hotel.

Leia mais

Doces, salgados, arte e compras em Paris

Hôtel Lutetia, reinaugurado em 2018 na Rive Gauche

Influência escandinava no Hôtel Marignan, em Paris

Bercy, onde Paris tem linhas modernas

Delícias do Mandarin Oriental em Tóquio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s