Um roteiro por Liverpool além dos Fab Four

Liverpool vista do Rio Mersey

Os Beatles podem ser a principal razão que leva um visitante a Liverpool, porém, uma vez lá, é fácil constatar que eles não são o único motivo. A bonita cidade é orgulhosa de seu passado, inclusive do passado anterior a 1960, e recebe hoje mais de meio milhão de visitantes estrangeiros a cada ano.

Um roteiro pela Liverpool dos Beatles

O melhor ponto da História para começar um roteiro além dos Beatles é em meados do século XIX, na Royal Albert Dock, à margem do Rio Mersey. Naquela época foram erguidos os armazéns em pedra avermelhada, tijolo e ferro, sem estrutura em madeira. À prova de fogo, os galpões formam um conjunto considerado Patrimônio Mundial pela Unesco. Atingido durante a Segunda Guerra Mundial, o porto entrou em declínio até ser fechado em 1972. O processo de restauração teve no início da década de 1980.

Arte moderna e história naval em Liverpool

Em um dos imensos armazéns está instalado o museu multimídia Beatles Story. Outro abriga uma filial da Tate e sua coleção de arte moderna. Um terceiro é a sede do Merseyside Maritime Museum, que conta a história naval da cidade, incluindo lembranças vergonhosas, como o comércio de escravos. A área é repleta de barcos e pequenas lojas, bares, cafés e restaurantes. Ao ar livre, há esculturas de arte contemporânea e banquinhos para apreciar o rio nos dias menos frios. Seguindo a pé rumo ao norte pela beira-rio, logo se encontra o moderno prédio do Museum of Liverpool, inaugurado em 2011 para apresentar a história da cidade, e o terminal de onde partem os ferries do Mersey. A rota panorâmica de uma hora é bom programa.

Three Graces, Liverpool
As três graças de Liverpool: o edifício portuário, o Cunard Building e o prédio da seguradora Royal Liver

No píer ficam também as Three Graces. Três edifícios comerciais do início do século XX dão forma um espetacular conjunto arquitetônico. As graças do período eduardiano são os prédios do Porto de Liverpool, da Cunard e da Royal Liver, uma companhia de seguros. O Cunard Building, antiga sede da companhia de navegação de mesmo nome. Além de cenário da prequel de Harry Potter, Animais Fantásticos e Onde Habitam, o edifício abrigar ainda a British Music Experience, uma espécie de museu da música pop britânica. No acervo, por exemplo, estão as roupas de David Bowie como Ziggy Stardust. O mais novo monumento aos Beatles, reunindo quatro estátuas em tamanho natural dos rapazes, fica também nesta área, chamada de Pier Head.

Saindo da beira-rio para o Centro, sempre a pé, um dos caminhos passa pelo Liverpool One, um grande centro comercial ao ar livre com mais de 160 lojas. Mais adiante fica o St. John’s Gardens, com outro bonito conjunto de prédios históricos. Perto dali encontra-se o Empire Theatre, onde os Beatles se apresentaram pela última vez na cidade, em 5 de dezembro de 1965.

Another Place, instalação de Antony Gormley em Crosby Beach, Liverpool
Another Place, instalação de Antony Gormley em Crosby Beach

Bem mais ao norte de St. John’s Gardens e a uns 20 minutos de carro da Albert Dock estão o Anfield Stadium, a casa do Liverpool FC, e o Goodison Park, estádio do Everton FC, dois times de futebol da Premier League inglesa. Outros 20 minutos de carro pela beira-rio, acompanhando o curso do Mersey, levam à foz do rio e à diferente paisagem da Crosby Beach. Com uma grande variação entre as marés alta e baixa, a praia banhada pelo Mar da Irlanda abriga a incrível instalação Another Place, reunindo cem esculturas em ferro de Antony Gormley. Todas representam um corpo humano em tamanho natural, no caso, o corpo do próprio artista londrino.

Os homens de ferro de Liverpool no Projeto #Colabora

Na direção oposta, no sul da cidade, a principal atração turística é a gigantesca Catedral de Liverpool, da Igreja Anglicana, inaugurada em 1978 depois de 74 anos de obras. Com arcos neogóticos e impressionantes abóbodas, a imponente catedral é hoje a maior da Grã-Bretanha, e a quinta maior do mundo. Quando Liverpool foi capital europeia da cultura, em 2008, a artista britânica Tracey Emin criou para uma das paredes em pedra no interior da igreja, logo na entrada, uma controversa instalação em neon cor-de-rosa. Os dizeres: I Felt You and I Knew You Loved Me (Senti Você e Soube que me Amava, em tradução livre).

Em Brighton, uma torre alta, verde, magra e milionária

Versão atualizada de texto originalmente publicado na revista Panrotas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s